SINDUR contesta entrevista concedida a TV Rondônia pela presidente da CAERD

0

No último dia 11 de fevereiro, a presidente da CAERD concedeu uma entrevista para a TV Rondônia, onde falou sobre as obras do PAC, tentando explicar o porquê das obras estarem paradas até o momento e para justificar a situação atual da CAERD usou inverídicas informações, como por exemplo, culpando a GESTÃO COMPARTILHADA de ter deixado o gasto com pessoal em 80% da arrecadação há dois anos e que a sua gestão encontrou a arrecadação de R$ 8.000.000,00 (oito milhões de reais) e agora está em R$ 12.000.000,00 (doze milhões de reais), vamos aos fatos:

A GESTÃO COMPARTILHADA – Este acordo foi firmado entre Governo do Estado e Sindicato dos Urbanitários de Rondônia – SINDUR, quando o trabalhador através de eleição escolhia os seus Diretores e o Governo do Estado indicava o Presidente, esta gestão compartilhada ocorreu de 20/08/2000 a 31/12/2010, sendo que a folha bruta em 2010 correspondia a 49,14% da arrecadação e não 80%, como diz a presidente.

ARRECADAÇÃO – No período da GESTÃO COMPARTILHADA a arrecadação que no ano de 2000 correspondia a R$ 18.167.000,00 (Dezoito milhões cento e sessenta e sete mil reais) ampliou-se para R$ 45.066.000,00 (Quarenta e cinco milhões e sessenta e seis mil reais) em 2005 (Totalizando um crescimento de 148% nesse período); Durante o período de 2005 a 2010 a arrecadação atingiu um montante de R$ 90.569.000,00 (Noventa milhões e quinhentos e sessenta e nove mil reais), totalizando um crescimento de 100,96%. Já no período pós-gestão COMPARTILHADA a arrecadação de 2011 a 2015 cresceu apenas ínfimos 40,80% neste período. E no último ano de 2014 a 2015 cresceu apenas 4%, nesta atual gestão. Fato este que em razão da empresa não manter os mesmos crescimentos nas arrecadações, culminaram em a folha atingir o patamar de 80%.

PESSOAL – Segundo, vale ressaltar que em 2000 o número de trabalhadores da Caerd era de 637 e ao final do processo de gestão compartilhada em 2010 somavam-se em 536 trabalhadores; Neste mesmo período os Cargos comissionados de livre nomeação eram 05; Após a GESTÃO COMPARTILHADA, porém pós a gestão, já em outubro de 2015 o total de trabalhadores da Caerd passou para 776, sendo que desse total, 57 cargos são de livre nomeação (por resolução de diretoria). O que devemos observar é que antes da atual gestão da Companhia o efetivo de trabalhadores em novembro de 2013 era de 660, ou seja, nos últimos dois anos aumentou o número de empregados em 113 trabalhadores dos quais 57 destes são de cargos de livre nomeação (Fonte: Portal Transparência da Caerd). Destacamos ainda que no período de 2011 a 2015 a empresa teve um acréscimo de contratação de 240 trabalhadores (concurso público e Cargos de livre nomeação) e demonstrando que se a folha atingiu 80% foi em razão das gestões que sucederam a gestão compartilhada dos trabalhadores.

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO – Em novembro e dezembro de 2015 e janeiro de 2016 houve uma desoneração na folha de pagamento, no qual 76 trabalhadores foram transpostos para o quadro da União, devido ao processo de Transposição movido pelo Sindur.

Esta já não é a primeira vez que a Direção da CAERD não expressa a real situação da empresa, tentando passar para a sociedade que a sua gestão é um primor de eficiência e desconstruindo o período que a antecedeu, sendo que o atual governo assumiu a indicação dos gestores da empresa a partir de 01/01/2011 decidindo por outra forma de gestão, até aí sem nenhum problema e sem qualquer questionamento, mais desqualificar um período que é do atual governo e tentar passar para a sociedade que ainda era da gestão compartilhada?! já é o fim da picada.

Autor : Imprensa Sindur – por Jane Carvalho | Fonte : Imprensa Sindur – por Jane Carvalho

Deixe uma resposta